Corpo de Hebe Camargo é enterrado no Morumbi sob aplausos de fãs


Sob aplausos de uma multidão de fãs, o corpo da apresentadora Hebe Camargo, que morreu na madrugada deste sábado (29), foi enterrado no cemitério Gethsêmani, no Morumbi, às 10h30 deste domingo. Durante a cerimônia, fãs ultrapassaram o cordão de isolamento e acabaram se misturando a artistas e familiares que prestavam as últimas homenagens. Cerca de 1500 pessoas passaram pelo cemitério, algumas pisaram sobre outros túmulos para conseguir se aproximar do local que era sobrevoado por quatro helicópteros. O filho de Hebe Camargo, Marcello, não foi visto entre os familiares durante o enterro.

No momento do enterro, familiares e amigos jogaram pétalas de rosas sobre o caixão enquanto o público gritava o nome da apresentadora e palavras como "gracinha", bordão de Hebe, e "eu te amo". A apresentadora Luciana Gimenez acompanhou a cerimônia de perto e beijou uma rosa antes de jogá-la sobre o caixão. O túmulo está localizado na quadra 10,  zona três da Rua Cruzeiro Velário.
Antes de chegar ao local do enterro, o cortejo circundou o Palácio dos Bandeirantes e fez um percurso de três quilômetros pela Avenida Morumbi em um carro de bombeiro escoltado por seis batedores da Polícia Militar.

O caixão, que foi enfeitado com rosas colombianas, as preferidas da apresentadora, foi carregado por guardas de honra da Polícia Militar. Uma bandeira do Brasil também foi colocada sobre o caixão. Coroas de flores, enviadas por familiares e personalidades como a presidente Dilma Rousseff e os apresentadores Luciano Huck e Angélica, que estavam no Palácio ao lado do caixão, também foram levadas ao cemitério.

Missa de Padre Marcelo
Na manhã deste domingo, o padre Marcelo Rossi celebrou uma missa no velório da apresentadora com a presença de personalidades da política e da televisão. No momento da unção, o padre brincou e disse que não podia bagunçar o cabelo da apresentadora. “Cuidado com o cabelo dela senão ela ficará brava comigo lá no céu". A cerimônia foi encerrada com duas músicas de Roberto Carlos, "Jesus Cristo" e "Como É Grande O Meu Amor Por Você".

Chega 19 o número de crianças intoxicadas por leite


Chega a 19 o número de crianças intoxicadas pelo leite da marca Holandês, produzido pela empresa Papenborg Comércio de Laticínios Ltda., em Biguaçu, na região metropolitana de Florianópolis (SC). A caso mais recente foi diagnosticado no último domingo, 23. São quatro crianças que continuam internadas em hospitais de Santa Catarina e devem receber alta até o final desta segunda-feira, 24, garante a Secretaria de Saúde do Estado.

Agentes da Secretaria da Saúde e da Secretaria de Agricultura lacraram, no último sábado, 22, a sede da fábrica que produziu o leite. Uma mangueira que transportava amônia se rompeu e misturou a substância com nitrito. A química entrou em contato com o leite e causou as intoxicações, conforme o laudo da Secretaria da Saúde.

A falha foi corrigida. O local continua produzindo leite, que deve ser pasteurizado e reaproveitado para a fabricação de queijo. Os produtos, porém, só devem voltar a ser comercializados depois de passarem por uma segunda análise para comprovar a ausência do nitrito.

A maioria das crianças que consumiram o produto, embalado em pacotes plásticos, é menor de 2 anos de idade. Algumas delas precisaram passar por ventilação mecânica.

Laudos preliminares produzidos em laboratório pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) apontaram presença de nitrito até dez vezes superior ao máximo tolerado em amostras de leite pasteurizado produzido pela empresa.

Entre os sintomas da intoxicação por nitrito estão arroxeamento da região em volta dos lábios e falta de ar. A substância induz a oxidação do ferro da hemoglobina, o que impede o sangue de transportar oxigênio.

Para orientações relacionadas à assistência, diagnóstico e tratamento, as pessoas devem ligar para o Centro de Informações Toxicológicas de Santa Catarina, por meio do número 0800-643-5252.

Ex-marido confessa participação em morte de universitária degolada na Grande SP


A polícia paulista afirmou ontem que o desempregado Alan dos Santos Peçanha, 27, confessou seu envolvimento na morte da ex-mulher, a universitária e modelo Lore Santana Vaz, 26. Segundo a investigação, ele queria dar um susto na jovem por causa de uma dívida de R$ 3.500 contraída pelo então casal. A defesa do rapaz, que está preso, nega as acusações.

Lore foi encontrada degolada dentro de um carro, em Santo André (ABC), no dia 13. Câmeras de uma empresa registraram dois homens abandonando o veículo. Os suspeitos levaram o telefone celular da vítima e o aparelho de som do carro.

Segundo o delegado Paulo Dionisio, de Santo André, Peçanha admitiu ter pago R$ 2.000 para dois homens -metade para cada um- apenas para assustar a ex-mulher.

Os outros acusados, o funileiro Raimundo Nonato Bezerra, 32, e Robert Pirovani Gama, 21, também estão presos.

Agricultora de Rio Pardo (RS) encontra camisinha dentro de caixa de molho de tomate


Uma agricultora do interior do Rio Grande do Sul tomou um susto, nesta quinta-feira (20), quando preparava o almoço para a família. Ao esvaziar uma embalagem de molho de tomate que já estava usando há alguns dias, ela se deparou com um preservativo, no meio do produto. O fato ocorreu no interior do município de Rio Pardo (a 137 km de Porto Alegre), no Vale do Rio Pardo.

Andréia Bastos de Oliveira, 32, não acreditou no que viu quando rasgou a caixa do molho. Algo trancava a passagem do resto de molho de tomate que já havia sido servido em outras refeiçoes ao marido e aos dois filhos, de 3 e 14 anos.

Assustada com o objeto de borracha ainda enrolado, mas fora de sua embalagem original, ela telefonou para o número gratuito que encontrou na embalagem do produto. Do outro lado da linha, um atendente pediu que a agricultora não comunicasse o incidente às autoridades e que, nesta sexta-feira (21), um representante da empresa a procuraria para tomar as devidas providências.

Proposta 
"Hoje um representante veio até mim e me pediu a caixa com o preservativo. Ele disse que me daria em troca uma nova embalagem", conta Andréia, que recusou a proposta. "Isso não é certo. Ficaria o dito pelo não dito. Agora vou entrar judicialmente contra a empresa pelos meus direitos", completa a consumidora.

Com as provas em mãos, a agricultora fez um boletim de ocorrência na delegacia de polícia da cidade. O molho de tomate havia sido comprado no início da semana, a R$ 2,99, em um supermercado de Rio Pardo. Acostumada a comprar o produto da marca, Andréia, agora, só quer contato com a indústria perante um juiz. "Não vou à Justiça por mim, mas pelos meus filhos."

Preso por começar incêndio em favela teria trancado parceiro em barraco em chamas, diz polícia


Moradores vizinhos ao barraco do travesti Fidelis Melo de Jesus, 37, conhecido como Eliete, afirmaram em depoimento no 77º DP que o incêndio na favela do Moinho, na região central de São Paulo, na manhã desta segunda-feira (17), foi causado por ele durante uma briga com seu parceiro, Damião de Melo, 38, que morreu carbonizado. Os dois estavam em um relacionamento homoafetivo havia cinco anos.

De acordo com o delegado titular do DP, Marcos Galli Casseb, os dois eram usuários de droga e estavam no meio de uma discussão quando Eliete teria ateado fogo a uma camiseta no barraco e o trancado por fora, deixando o parceiro do lado de dentro. O travesti deixou a favela em uma ambulância do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) e foi encontrado no Hospital Barra Funda, sob efeito de drogas.

Um morador da favela, no entanto, afirmou que entrou no barraco em chamas no início do incêndio para tentar apagar o fogo e que a porta não estava trancada. "O barraco estava aberto, eu entrei no barraco do fogo",  contou o repositor Marcos Antônio de Moura, 31, que mora na comunidade há dez anos, atualmente com o filho de dois anos.

Pediatra foi assassinada por "vingança", diz colega de trabalho


Colegas de trabalho da pediatra Sônia Maria Santanna Stender, 61, assassinada com três tiros na manhã de domingo (16) quando deixava o plantão no Hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha, zona norte do Rio, disseram acreditar que a médica foi morta por "vingança" já que nenhum objeto pessoal dela foi roubado. O corpo da vítima foi enterrado na tarde desta segunda-feira, por volta das 14h45, no Cemitério São João Batista, em Botafogo, zona sul da cidade.

Segundo colegas que preferiram não se identificar, o pai de um paciente havia discutido com Sônia Stender na noite anterior ao crime. Ele teria fotografado a médica e dito que aquele seria seu último plantão.

Enfermeiros e médicos denunciaram a falta de segurança no Hospital Estadual Getúlio Vargas, onde a vítima trabalhava. Eles afirmam que as ameaças contra profissionais são frequentes na unidade.

"As ameaças são frequentes no Hospital Getúlio Vargas e a culpa é do governo. As pessoas entram lá armadas porque não existe revista. Trabalho lá há 15 anos e vejo isso acontecer sempre", lamentou uma enfermeira emocionada durante o enterro da amiga.

Corpo da irmã do cantor Gusttavo Lima sepultado nesta segunda-feira


A irmã do cantor Gusttavo Lima, 23 anos, Luciana, que morreu na madrugada de domingo (16), foi velada na manhã desta segunda-feira (17) na cidade de Patos de Minas, em Minas Gerais. Em seguida, ela foi levada para sepultamento na cidade natal da família, Presidente Olegário. As informações são da assessoria Great Assessoria e Áudio Mix.

As causas da morte de Luciana Lima, 26 anos, ainda estão sendo investigadas, mas se sabe que a moça estava dormindo. Luciana deixou uma filha de dois anos, Laura, afilhada do cantor.

A morte aconteceu enquanto Gusttavo havia acabado de realizar um show em Limeira (SP). Assim que recebeu a notícia, ele seguiu para Goiânia para ficar junto da família.

No início da noite de domingo, o cantor utilizou a sua conta no Twitter para mandar um recado para a irmã: "Minha irmã Luciana Lima, nunca vou te esquecer, te amarei para sempre e tenho certeza que está com Deus... sentirei muitas saudades...", escreveu ele. Gusttavo também postou uma foto de sua afilhada e deixou um recado: "Sua mamãe foi morar com Deus. Mas enquanto eu tiver vida serei seu pai, seu tio e te darei todo amor e carinho do mundo".

De acordo com a assessoria do cantor, em respeito aos fãs, Gusttavo irá seguir normalmente os eventos de sua agenda. O próximo show será em Porto Alegre (RS) na quarta-feira (19).

Polícia encontra corpos de seis jovens desaparecidos no RJ


Policiais militares encontraram na manhã desta segunda-feira os corpos de seis jovens às margens da rodovia Presidente Dutra, em Jacutinga, na cidade de Mesquita, na Baixada Fluminense. Eles estavam desaparecidos desde sábado (8). Segundo a PM, todos seriam adolescentes, estavam nus e com marcas de tiros.

Alguns garotos tiveram as mãos amarradas. Eles eram moradores de Nilópolis (Baixada Fluminense). As famílias deles haviam comunicado o sumiço à polícia neste domingo (9).

Policiais do 20º Batalhão da PM de Mesquita disseram que os adolescentes desapareceram quando foram tomar banho de cachoeira em uma mata que dá acesso à favela da Chatuba, no mesmo município, sábado.

O caso está sendo investigado pela Divisão de Homicídios da Baixada Fluminense. Até as 10h desta segunda-feira, a polícia não tinha informações sobre o paradeiro dos assassinos.

Justiça de Florianópolis proíbe santinho de "candidato da maconha" por parecer papel de seda


A campanha para vereador de Florianópolis do candidato Lucas de Oliveira (PSDB) estava morna, com visibilidade moderada. Ele fazia pequenas passeatas distribuindo propaganda com sua foto, sua legenda e seu número 45.999 num papel tão fino quanto o de seda utilizado por consumidores de maconha para enrolar o cigarro. Em destaque no santinho estava o apelido: Presidente THC.

Na terça-feira (6), uma ação proposta pelo Ministério Público Eleitoral pedindo a proibição da propaganda deu um empurrão extra na campanha de Oliveira. Na quinta-feira (6), o juiz Luiz Felipe Schuch, da 13ª Zona Eleitoral de Florianópolis, aceitou o pedido da promotoria e concedeu liminar (decisão provisória) contra o Oliveira, também conhecido nas ruas como "candidato da maconha". Aí a campanha decolou de vez e se tornou uma das mais comentadas da capital catarinense.

A ação começou com a apreensão pela Polícia Militar da propaganda numa escola. A origem da repressão e a posterior proibição só fizeram redobrar o esforço dos cabos eleitorais do candidato, na maioria adolescentes de escolas públicas.

Embarcação com excesso de passageiros fica à deriva no rio Amazonas


Uma embarcação com excesso de capacidade ficou à deriva em águas do baixo rio Amazonas, em Itacoatiara (175 km a leste de Manaus), após uma pane nos motores no início da madrugada deste domingo (9). De acordo com a Marinha, não houve registro de feridos.

A embarcação Nova Aliança partiu na manhã de sábado (8) de Parintins em direção a Manaus, segundo a Marinha. Na metade da viagem, em Itacoatiara, houve um problema nas máquinas do barco.

Equipes da Capitania Fluvial da Amazônia Ocidental rebocaram a embarcação até o porto da cidade. Lá, verificaram que havia excesso de 42 passageiros --a capacidade da embarcação era de 320 pessoas e sete tripulantes.

A Marinha informou que mecânicos do barco repararam os motores. A embarcação prosseguiu viagem para Manaus com apenas 200 pessoas a bordo. Os demais passageiros seguiram em um ônibus. Eles chegaram na manhã deste domingo (9) em Manaus depois de uma viagem de quatro horas pela rodovia AM-010.

O proprietário da embarcação foi notificado. Um inquérito administrativo vai apurar a causa da pane e a responsabilidade pelo incidente. A reportagem não conseguiu contato com os proprietários do Nova Aliança para falar sobre o incidente.

Essa foi a segunda ocorrência registrada no fim de semana com embarcações à deriva em rios do Amazonas. No sábado (8), um iate do hotel Ariaú Amazon Towers adernou com 45 pessoas a bordo no rio Negro, em Manaus. Ninguém ficou ferido.

Menino com 26 dedos aguarda cirurgia e diz sonhar com chuteiras em Goiás


Com 26 dedos nos pés e mãos, o garoto V.S.S., 8, de Abadia de Goiás (24 km de Goiânia), aguarda uma cirurgia reparadora para poder calçar sapatos e ganhar uma chuteira de futebol. Devido à polidactilia, alteração genética que aumenta o número de dedos, ele só consegue usar chinelos.

Com esperança de realizar a cirurgia ainda neste ano, V. conta que um dos sonhos é jogar futebol na linha, como lateral esquerdo. Hoje, ele joga apenas no gol porque tem dificuldades de chutar a bola. O garoto possui seis dedos em cada uma das mãos, e sete em cada pé. Os dedões nos dois pés são grudados.

De família carente, o garoto mora na cidade do interior com a bisavó Francisca Rosa Soares, 73. Ela afirma que a família está ansiosa pela cirurgia, que é uma luta desde o primeiro ano de vida do neto.

O enfermeiro Silfarney Gomes, que acompanha o caso de V. há quase três anos, diz que a cirurgia do garoto está autorizada pelo SUS e deve ser realizada no Centro de Reabilitação e Readaptação Dr. Henrique Santillo (Crer), em Goiânia. Ele conta que o garoto já passou por várias unidades de saúde e nunca teve o atendimento adequado porque os médicos já dispensavam o caso antes mesmo de avaliá-lo.

Diretora de jornal relata agressão sofrida em canavial de Guaíra (SP)


A diretora do semanário "O Jornal" de Guaíra (432 km de São Paulo), Monize Taniguti, 30, diz ter sido agredida por três homens em um canavial da cidade na manhã deste sábado (1).

Segundo seu relato, Monize tinha ido buscar 2.000 exemplares do periódico em uma gráfica de Barretos (423 km de São Paulo) quando foi feita refém na chegada a Guaíra. Todos os exemplares foram levados pelo trio.

Foi registrado um boletim de ocorrência e a Polícia Civil informou que o caso começará a ser investigado nesta segunda-feira (3).

Monize assumiu a direção do jornal há quatro meses e decidiu alterar a linha editorial, com conteúdo voltado a denúncias, no geral. "No canavial, eu era agredida. Eles diziam que aquilo era para eu aprender com quem estava mexendo", afirmou neste domingo à Folha.

De acordo com a diretora, a reportagem principal que estava publicada nos exemplares levados era sobre a doação de um terreno avaliado em R$ 1,9 milhão pela prefeitura para a construção de uma faculdade particular. No local, funcionava uma encubadora de empresas.

Em outra matéria, Monize apontava uma suposta fraude ocorrida na eleição do sindicato dos servidores local. Ela afirmou que já pediu novamente a impressão dos jornais e que, desta vez, irá distribuir 5.000 exemplares na cidade, com uma página em que irá relatar a agressão.

O delegado Evandro Abrão Nacle disse que o caso pode ser investigado pela Delegacia da Mulher.

A AGRESSÃO

Monize afirma que estava dirigindo na rodovia Assis Chateaubriand quando foi cercada por dois carros, um Gol e Strada.

Segundo a jornalista, ela diminuiu a velocidade do veículo e foi para o acostamento. Nesse momento, o passageiro do Gol desceu e, armado, entrou no carro de Monize.

"Ele mandou eu ir ao banco de passageiros e tomar um remédio, não sei o que era. Puxou meu cabelo e me fez engolir", disse. A pílula fez a jornalista perder os sentidos parcialmente. Durante o percurso, era agredida com socos no braço, segundo a diretora.

Depois, no canavial, a diretora foi obrigada a descer do carro e a permanecer de joelhos. Enquanto era agredida com tapas no rosto, o trio levava os jornais. Nenhum outro pertence dela foi roubado.

Após os homens terem deixado o local, Monize telefonou para o marido e foi caminhando até a pista. Lá, um tempo depois, o marido a encontrou.

Da estrada, seguiram para a polícia e depois, a um posto de saúde da cidade. Segundo Monize, seu braço esquerdo ficou com marcas roxas.

Exame deduz que Elize não agiu sozinha contra marido


Elize Araújo Matsunaga, de 38 anos, contou com a ajuda de pelo menos uma pessoa para esquartejar o marido. É o que indica a análise das amostras de sangue encontradas na cena do crime. O exame reforça a tese da acusação de que ela não agiu sozinha após matar o empresário Marcos Kitano Matsunaga, de 42, na noite de 19 de maio, com um tiro na cabeça. As informações - presentes em um laudo do Instituto de Criminalística divulgado pela revista Isto É - podem causar reviravolta no caso.

Desde que confessou o crime, Elize diz ter feito tudo sozinha. O laudo é resultado de análises de DNA de 30 amostras de sangue colhidas no dia 6 de junho ao redor da área onde Matsunaga, herdeiro da empresa de alimentos Yoki, foi esquartejado. A coleta foi feita no dia da perícia realizada no apartamento do casal, uma cobertura de luxo na Vila Leopoldina, zona oeste da capital. O documento revela que os peritos identificaram material genético de um indivíduo do sexo masculino, excluindo Marcos Matsunaga. E cita também a possibilidade de que haja sangue também de outra mulher, além do de Elize.

A participação de mais uma pessoa no crime é cogitada desde o início das investigações, mas até agora não havia indício real de coautoria. Para prová-la, no entanto, será preciso identificar o dono da amostra de sangue encontrada no quarto para onde a vítima foi arrastada após ser baleada, já na madrugada de 20 de maio.

O promotor de Justiça José Carlos Cosenzo, responsável pelo caso, diz que recebeu o relatório na sexta-feira e a Promotoria deve agora solicitar esclarecimentos técnicos aos peritos para saber se as amostras de fato colocam outra pessoa na cena do crime. "Sempre acreditamos que Elize tinha contado com a ajuda de um terceiro depois de praticar o crime. No esquartejamento, na distribuição e acondicionamento das partes do corpo e na maquiagem feita na cena do crime."

Segundo o promotor, o fato de ainda não terem aparecido imagens de pessoas subindo no apartamento de Matsunaga não impede que terceiros tenham participado do crime. "O que sabemos é que ninguém subiu de elevador. Mas nada impede que tenha entrado pela escada ou deixado o prédio dentro de um carro", diz. Ele defende que sejam feitas novas investigações para confirmar a hipótese de ajuda de terceiros.

Elize está presa em Tremembé, no interior, desde 4 de junho. Ré confessa, diz que matou o marido durante discussão iniciada por causa da infidelidade da vítima. O advogado dela, Luciano Santoro, não foi encontrado ontem. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.