Sem protestos, Yoani Sánchez tem dia de turista no Rio


Depois enfrentar protestos em São Paulo, Recife, Salvador e Brasília, a ativista cubana Yoani Sánchez teve uma trégua no Rio de Janeiro, onde conseguiu aproveitar sem contratempo o domingo ensolarado para conhecer pontos turísticos da cidade. Acompanhada do deputado federal Otávio Leite (PSDB) e do deputado estadual Luiz Paulo Correa da Rocha (PSDB), a blogueira foi assediada por turistas e curiosos em todos os locais por onde passou.

Questionada sobre a reunião deste domingo da Assembleia Nacional, quando os 612 membros do Parlamento cubano serão empossados e Raúl Castro deverá ser nomeado para outro mandato de cinco anos como presidente do país, Yoani disse não acreditar que ocorra alguma mudança significativa. "Num país onde não há organismo que possa contrapor ideias, é muito difícil".

Yoani disse ter planos de fundar um veículo de imprensa junto com outros colegas quando retornar a Cuba. "Vai ser um regresso complicado, mas vou voltar com mais energia. Às vezes lá dentro temos a impressão de que estamos sozinhos, de que o mundo não conhece o tema, mas vejo que não. Há muita consciência da ausência de direito", afirmou.

Nesta segunda-feira, Yoani embarca para a República Tcheca. "Vou levar essa mensagem também a meus amigos de luta. Não estamos sozinhos. Levo a pluralidade, a diversidade e a solidariedade do povo brasileiro."

No passeio pelo Rio, a ativista visitou o Forte de Copacabana, tomou água de côco em um quiosque na praia e conheceu o Pão de Açúcar. "A solidariedade nas ruas é a mais importante, porque é realmente espontânea. Estou de verdade muito impressionada com a receptividade no Rio. Me lembra Havana, mas livre", disse a cubana. Yoani chegou à cidade no início da noite de sábado e jantou com a atriz Rosamaria Murtinho.

Historiadora deve pedir volta do coração de Dom Pedro I ao Brasil


Órgão que está na cidade do Porto, em Portugal, poderá ser analisado no Brasil; pesquisa revelada com exclusividade pelo ‘Estado’ exumou os restos mortais do imperador e de suas duas mulheres.

O próximo passo do estudo da historiadora e arqueóloga Valdirene do Carmo Ambiel, revelado com exclusividade pelo Estado no início da semana passada, é analisar o coração de Dom Pedro I, que está na cidade do Porto, em Portugal. Por decisão testamentária, o coração foi doado à Igreja da Lapa, onde se encontra conservado, como relíquia, num mausoléu na capela principal da igreja.

Na primeira fase da pesquisa, apresentada na última segunda para obtenção do título de mestrado, Valdirene exumou os restos mortais do imperador e de suas duas mulheres, Leopoldina e Amélia, sepultados na cripta do Monumento à Independência, no Ipiranga, zona sul de São Paulo. O material passou por uma série de exames na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) e a pesquisa serviu para desmentir episódios da história e confirmar outros - como a "lenda" de que a imperatriz Leopoldina teria sido empurrada escada abaixo e fraturado um fêmur (mas os exames não demonstraram nada), as quatro costelas fraturadas de Dom Pedro I (resultado de acidentes a cavalo) e a revelação de que a segunda mulher do imperador, Dona Amélia, está mumificada.

Universidades de SP têm R$ 7 bi para investir


São Paulo - As três universidades públicas paulistas - USP, Unesp e Unicamp - encerraram o ano fiscal de 2012 com R$ 6 bilhões em caixa. A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado (Fapesp) também tinha saldo positivo em 31 de dezembro, de R$ 1,02 bilhão. Os números foram apresentados em janeiro ao governador Geraldo Alckmin.

Segundo aliados, ele reagiu com irritação, por julgar que as instituições deveriam investir mais em infraestrutura e na ampliação de projetos.

Os dados foram extraídos do Sistema Integrado de Administração Financeira para Estados e Municípios (Siafem) de São Paulo. A principal fonte de recursos das universidades e da Fapesp é o repasse de 10,57% do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) recolhido pelo governo. Quanto maior a arrecadação, mais dinheiro entra nos cofres das instituições.

A avaliação de parte do governo é de que os contribuintes estariam pagando um tributo que não estaria sendo utilizado. Alckmin teria ficado incomodado com o fato de que dirigentes das instituições costumam brigar por cada centavo de seus orçamentos. O dinheiro, no entanto, fica parado, sob a alegação de que a maior parte está comprometida com despesas já assumidas. A reserva também serviria para cobrir eventuais quedas de receita em decorrência de variação da arrecadação do ICMS.

Programas sociais deixam 2,5 milhões de miseráveis de fora


Os programas sociais do governo federal excluem 2,5 milhões de pessoas que vivem abaixo da linha da miséria e ele não consegue localizar, de acordo com estimativa do próprio Ministério do Desenvolvimento Social.

Encontrar essas pessoas é essencial para a presidente Dilma Rousseff cumprir sua promessa de "erradicar" a extrema pobreza --o que só ocorrerá quando nenhum brasileiro ganhar menos que R$ 70 por mês, segundo o critério fixado pelo governo.

O Ministério do Desenvolvimento Social chegou a essa estimativa depois de comparar dados do Censo de 2010 com as informações do Cadastro Único, a base de dados usada para administrar os programas sociais.

Se essas pessoas não entrarem no sistema, elas jamais serão incluídas em ações como o Bolsa Família, cujas transferências foram ampliadas por Dilma, e, assim, não serão resgatadas da extrema pobreza.

"Pretendemos fazer [o cadastro dessas famílias] até o final do ano. A presidente já nos indicou que o processo tem que ser acelerado", disse o secretário para Superação da Extrema Pobreza do ministério, Tiago Falcão.

Explosão de meteoro deixa mais de 1.000 feridos na Rússia


Um funcionário local do Ministério de Emergências disse que o incidente pode estar relacionado à passagem de um asteroide pelos arredores da Terra, na sexta-feira, mas um astrônomo da Academia de Ciências da Rússia, Sergei Barabanov, duvidou disso. Segundo ele, não há indícios que amparem a teoria de que o meteoro viajava acompanhando o asteroide, ou que tenham se soltado dele.

Pelo Twitter, a Agência Espacial Europeia também afirmou que seus especialistas não viram relação entre os dois fatos.

O governador regional de Chelyabinsk disse que a chuva de meteoritos causou danos superiores a 30 milhões de dólares, e, de acordo com o Ministério das Emergências, cerca de 300 edifícios foram afetados.

Um pedaço atravessou o gelo que cobria o lago Cherbakul, perto da cidade, deixando um buraco com vários metros de diâmetro.

Apesar dos alertas para que as pessoas não se aproximem de objetos não-identificados, moradores empreendedores já tentam faturar.

"Vendendo meteorito que caiu em Chelyabinsk!", oferecia o vendedor Vladimir num popular site russo de leilões. Ele anexou uma foto de uma pedra preta, e na sexta-feira à tarde o valor chegava a 1.488 rublos (49,46 dólares).

(Reportagem adicional de Gabriela Baczynska em Moscou)

Fonte: http://br.reuters.com/article/topNews/idBRSPE91E06C20130215?pageNumber=2&virtualBrandChannel=0

A facção criminosa PGC (Primeiro Grupo Catarinense), que realizou mais de 50 ataques contra ônibus e forças de segurança em 16 cidades de Santa Catarina na última semana, estruturou suas forças seguindo o modelo do crime organizado de São Paulo, segundo membros do Judiciário ouvidos pela BBC Brasil.

Assim como o paulista PCC (Primeiro Comando da Capital), o PGC foi criado com o suposto objetivo de lutar contra abusos de direitos humanos cometidos contra detentos por agentes do Estado. O mais notório exemplo desses abusos é um vídeo divulgado recentemente pelo jornal A Notícia com cenas de tortura num presídio de Joinville.

As imagens mostram agentes penitenciários usando bombas de gás lacrimogêneo, spray de pimenta e disparando com tiros de borracha contra dezenas de detentos nus agachados contra uma parede, sem mostrar resistência.