Polícia sueca encontra drogas em ônibus de Justin Bieber


ESTOCOLMO, 25 Abr (Reuters) - A polícia sueca encontrou drogas no ônibus da turnê do ídolo adolescente Justin Bieber em Estocolmo nesta quinta-feira, mas não há suspeitos e é improvável que o caso seja levado adiante.

Um policial sentiu cheiro de maconha em um ônibus vazio do lado de fora do hotel onde Bieber estava hospedado, pouco antes de um show dele na capital sueca na quarta-feira à noite, disse o porta-voz da polícia Kjell Lindgren.

A polícia revistou o ônibus vazio, que havia levado de 10 a 15 pessoas para o local do show.

"A polícia revistou o ônibus e encontrou uma pequena quantidade de entorpecentes", disse Lindgren. "Nós não sabemos quem possuía ou consumiu as drogas, por isso vai ser difícil ligá-las a qualquer indivíduo".

As drogas foram enviadas para análise e Lindgren disse que a polícia não planeja novas medidas, a menos que receba mais informações.

Bieber está viajando pela Europa em sua turnê "Believe" e tem uma apresentação marcada na Finlândia para sexta-feira.

Ataque em Boston não conseguiu quebrar valores dos EUA, diz Obama


O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse nesta quinta-feira que os terroristas que fizeram um atentado em Boston na última segunda (15) não conseguiram quebrar os valores dos Estados Unidos.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse nesta quinta-feira que os terroristas que fizeram um atentado em Boston na última segunda (15) não conseguiram quebrar os valores dos Estados Unidos.

Sobre os terroristas, disse que eles atingiram a cidade errada e os chamou de "esses indivíduos mínimos que preferem destruir que construir".

"Sim, vamos encontrá-los e, sim, vocês enfrentarão a Justiça e terão que cumprir sua pena. Mas nossa fidelidade ao estilo de vida, de uma sociedade livre e aberta, só vai crescer mais forte. Que Deus nunca nos dê o espírito de medo e intimidação".

Ele prestou homenagem às famílias de Krystle Campbell, 29, Martin Richard, 8, e Liu Lingzi, 23, com quem se reuniu antes da cerimônia. "Assim como a mãe de Krystle disse, por trás de suas lágrimas, 'isso não faz nenhum sentido'".

Na maior parte da intervenção, o mandatário ressaltou o caráter cosmopolita dos moradores da cidade, que abriga as universidades Cambridge e Harvard. Para Obama, esse aspecto foi fundamental para reagir à tragédia.

Dilma prepara a sua quinta estatal, a ‘Hidrobrás’, para portos e hidrovias


O governo Dilma Rousseff prepara a criação de mais uma estatal, que terá a tarefa de cuidar dos portos fluviais, hidrovias e eclusas do País. Projeto dos ministérios do Planejamento e dos Transportes prevê a formação de uma nova empresa, que assumirá as funções, nessa área, do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit). Caberá a ela projetar, construir, operar, manter e restaurar a estrutura de navegação em rios, hoje muito abaixo de suas possibilidades e do potencial do País.

Se levada adiante, a nova estatal será a quinta de Dilma em menos de três anos de governo - seu antecessor, Luiz Inácio Lula da Silva, também criou cinco, mas em oito anos. A presidente já incorporou à administração federal a Infraero Serviços, a Amazônia Azul Tecnologias de Defesa e a Agência Brasileira Gestora de Fundos Garantidores e Garantias, além da Empresa Brasileira de Planejamento e Logística (EPL), esta última para planejar e articular ações na área de Transportes. As companhias se somam a dois ministérios - a Secretaria de Aviação Civil e a Secretaria da Micro e Pequena Empresa -, adicionados por Dilma às 37 pastas herdadas de Lula.

Ainda em gestação, a "Hidrobrás" teria dupla vinculação, reportando-se tanto ao Ministério dos Transportes quanto à Secretaria de Portos da Presidência (SEP), responsável hoje pelos terminais marítimos. A principal justificativa para a criação é que, sob o guarda-chuva do Dnit, os portos fluviais e hidrovias ficam em segundo plano, pois a autarquia concentra suas atividades na gestão da imensa malha rodoviária.

Multimodais. "Países com as dimensões do Brasil não têm órgãos multimodais (para gestão de mais de um tipo de transporte), como o Dnit", argumenta autoridade do governo envolvida no projeto, explicando que o Brasil não usa um terço de sua capacidade hidroviária. "Para você potencializar isso, precisa de alguma especialização", sustenta.

O ex-ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, que ontem transferiu o cargo ao ex-senador César Borges (PR-BA), diz que o objetivo do governo é tirar a estatal do papel este ano. "Estamos trabalhando com uma reestruturação onde se considera uma empresa para cuidar de portos fluviais e a manutenção das vias navegáveis", afirmou, sem dar mais detalhes.

Mantega promete taxa de lucro maior para grandes obras


Pressionado pelas empresas, o governo Dilma cedeu e não vai mais limitar a 5,5% ao ano a taxa interna de retorno dos investimentos nos projetos de concessão de rodovias ao setor privado.

"A taxa de retorno de 5,5% nos projetos de rodovias não existe mais, foi calculada com base em estudos ultrapassados", disse à Folha o ministro Guido Mantega (Fazenda) por meio de sua assessoria.

Segundo a Folha apurou, a expectativa, agora, é que haja uma taxa de retorno específica para cada projeto de concessão, mas sempre superior a 5,5%. Os empresários defendem pelo menos 8%.

Nos últimos dias, pelo menos três empreiteiras avisaram o Palácio do Planalto que não iriam participar dos leilões, previstos para julho, caso a taxa interna de retorno continuasse em 5,5%.

A principal reclamação dos empresários, repassada ao ex-presidente Lula e com quem a presidente Dilma se reuniu ontem em São Paulo, é que o governo queria tabelar a taxa de retorno, o que iria afugentar os investidores das licitações.

Acelerador busca partículas que podem mudar compreensão do universo


Engenheiros deram início a um processo de aprimoramento do Grande Colisor de Hádrons (LHC, na sigla em inglês) para dobrar a energia do que já é o maior acelerador de partículas do mundo.

A BBC foi o primeiro meio de comunicação a ter acesso ao interior do LHC - no Cern, o laboratório europeu de pesquisas nucleares, na fronteira franco-suíça - para acompanhar esse trabalho.

Cientistas acreditam que o "upgrade" lhes permitirá descobrir novas partículas e, assim, a formular uma teoria mais completa sobre o funcionamento do universo.

A cientista Pippa Wells, que trabalha no Cern, disse à BBC que há muito a ser descoberto com o LHC. "Os dois últimos anos foram os mais animadores da minha vida como física de partículas", declarou.

"Houve uma descoberta (pistas da chamada 'partícula de Deus'), e os cientistas querem mais com os altos níveis de energia que teremos. Podemos descobrir um novo reino de partículas físicas."