Morre mulher submetida ao primeiro transplante de rosto no mundo

Em 2005, a francesa Isabelle Dinoire foi submetida a um transplante pioneiro após ter seu rosto desfigurado por um cachorro.
Isabelle Dinoire, a primeira pessoa a ser submetida a um transplante parcial de face do mundo, morreu no dia 22 de abril aos 49 anos de idade. A revelação foi feita apenas nesta terça-feira pelo jornal francês Le Figaro e confirmada pelo hospital universitário de Amiens, na França, no qual a paciente foi operada em 2005.

De acordo com o centro hospitalar, a francesa morreu “por consequência de uma longa doença” e a informação não foi divulgada antes para preservar a intimidade da família. Embora a causa do óbito não tenha sido revelada, o Le Figaro afirmou que o corpo de Isabelle havia rejeitado o transplante no ano passado (10 anos após o procedimento), o que teria causado a perda de parte do uso dos lábios e deixado seu corpo vulnerável ao desenvolvimento de dois cânceres devido aos medicamentos anti-rejeição.

Operação pioneira

INSS inicia revisão de mais de 1,5 milhão de benefícios

Com a revisão do benefícios, expectativa do governo é economizar cerca de 7 bilhões de reais por ano.

Começou na última quinta-feira a convocação dos beneficiários do INSS para a realização de perícia médica. Após o recebimento do aviso por carta, o beneficiário terá cinco dias úteis para agendar a perícia, por meio da central de teleatendimento 135.

Quem não atender ao chamado do INSS no prazo estabelecido terá o benefício suspenso. A reativação só ocorrerá com o comparecimento do beneficiário e o agendamento de nova perícia.

Os primeiros 75.000 convocados são beneficiários de auxílio-doença que têm até 39 anos de idade e mais de dois anos de benefício sem passar por exame pericial. Ao todo serão convocados 530.000 beneficiários com auxílio-doença.

Outro grupo de 1,1 milhão de aposentados por invalidez com idade inferior a 60 anos também passará pela avaliação.

Como uma tragédia familiar inspirou um bilionário a investir em vinhos

Em Franschhoek, vilarejo próximo ao Cabo Ocidental da África do Sul com charme do século 17 e vistas de cartão postal das Montanhas Drakenstein, fica a L’Ormarins, propriedade de 1.300 hectares pertencente a Johann Rupert. É a porção maior da Anthonij Rupert Wine, império vinícola do bilionário sul-africano. 

Passando de carro ao lado de uma escultura de Rodin no jardim e de cavalos igualmente esculturais nos gramados, ele chega de bom humor à propriedade. É uma manhã de fevereiro, época da vindima. Decorado com conforto, seu escritório fica num dos edifícios mais novos da propriedade. A adega de tintos foi projetada de modo a se assemelhar aos mecanismos internos de um relógio (metáfora apropriada para Rupert, que fez fortuna como presidente da Richemont, empresa suíça de joias e artigos de luxo que detém marcas como Cartier, Piaget e Van Cleef & Arpels).

Rupert, de 65 anos, pertence àquele substrato dos estratosfericamente ricos para quem o silêncio é valiosíssimo. Ele raramente dá entrevistas, mas é inegavelmente tagarela quando a conversa é sobre vinho. Pelas janelas do escritório veem-se fileiras de Chenin Blanc, casta muito difundida na África do Sul, e que se compara à do Vale do Loire.

Juizado de Menores impede atriz de fazer novelas da Globo

Sucesso interpretando a jovem Mabi no remake “TiTiTi”, novela que foi ao ar na Globo entre 2010 e 2011, Clara Tiezzi perdeu papéis em novelas da emissora por causa da idade.

Em entrevista ao jornal 'O Globo', a atriz, que completou 17 anos recentemente, revelou que foi chamada para pelo menos duas novelas das sete, entre elas, “I love Paraisópolis” e “Totalmente Demais”. Nessa última trama, Clara iria  interpretar uma “periguete”, segundo ela. “Em ‘I love Paraisópolis’ havia cenas de baile funk à noite, por exemplo. Por isso, o Juizado de Menores não liberou. Eu estava com quase 15 anos quando me ligaram. Esta é a pior fase, pois não consigo interpretar criança nem adulta. Mas penso que aquilo que tiver que ser meu será. Não esquento muito”, contou a atriz.