Médico de Uberlândia é condenado por cobrar em hospital público


Cardiologista foi condenado em primeira instância.
Fantástico denunciou cobrança de consultas em 2008.

O médico cardiologista de Uberlândia, Rimmel Amador Gusman Heredia, de 71 anos, foi condenado em primeira instância, na última quarta-feira (15), pelo juiz federal Lincon Rodrigues, a 10 anos, um mês e 10 dias de prisão, além de 300 dias de multa, sendo no valor de meio salário mínimo para cada dia de multa.

Apesar de o médico estar aposentando por idade, o juiz também decretou a perda do cargo. Rimmel ainda não foi notificado oficialmente e pode recorrer em liberdade. Por ter 71 anos e, mesmo se a decisão for mantida, ele irá cumprir a pena em regime semiaberto porque a lei não permite que fique totalmente recluso.



O médico era acusado de cobrar por consultas no Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia (HC-UFU). Ele foi flagrado com uma câmera escondida pela equipe do Fantástico em 2008 cobrando R$ 200 por consulta.

Após ser notificado, o médico terá cinco dias para recorrer da decisão. O G1 tentou falar com ele na tarde desta sexta-feira (17), mas a filha do médico disse que ele não estava em casa e não sabia quando voltaria.

Entenda o caso
Em 2008 um repórter do Fantástico fez dois exames, sendo um deles um eletrocardiograma, que é difícil de ser liberado. Na época da denúncia, uma senhora disse à equipe de reportagem que esperava oito anos por um exame ergométrico.

Além desta denúncia, foi identificado também outro esquema envolvendo o mesmo hospital. São fabricantes que pagavam propina aos médicos que implantam seus produtos em pacientes cardíacos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário