Capitão do Figueirense minimiza a comemoração de cueca após o clássico: "Acho que foi normal"

O clássico continua rendendo no Figueirense. Além do ótimo clima no vestiário, a comemoração dos atletas alvinegros, de cueca em frente à sua torcida, foi um dos assuntos da entrevista coletiva na manhã desta terça-feira.

Após aplicar um 4 a 0 implacável, os jogadores do Furacão jogaram para a torcida os calções e as camisas. Só de cueca (ou sunga), alguns dançaram o Créu, um passo criado por músicos do funk carioca e que ficou marcado como provocação dos avaianos após uma vitória sobre o Figueirense no Orlando Scarpelli em 2008.

— Acho que é normal. Alguns anos atrás, o Marquinhos também fez algumas comemorações dançando o 'Créu'. Eu não fiz, mas quem fez está de parabéns — provocou o capitão alvinegro Wellington Saci.

A vitória por 4 a 0 elevou a autoestima dos atletas. A missão do acesso continua difícil, afinal o Furacão precisa vencer todos os jogos. De qualquer forma, a confiança alvinegra mudou após o clássico.



— Pela maneira que foi o jogo, pela maneira que a gente se comportou em campo. Tinha que ser o jogo da nossa vida, e como os torcedores falaram para nós, podíamos não conseguir o acesso, mas teríamos que ganhar o clássico para lavar a alma. Estávamos com essa vontade enorme de ganhar, e pela maneira que entramos, não tinha nem como empatar — finalizou Saci.

O Figueirense se reapresentou nesta terça-feira no CFT do Cambirela. Os únicos desfalques para a próxima rodada, contra o Guaratinguetá sábado às 21h, são o zagueiro Douglas Marques e o atacante Pablo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário